Prezados amigos,

                A Vice-Presidência da Modalidade Bola 3 Toques vem, por meio do presente, divulgar as regras de funcionamento da nova Comissão Nacional de Regras.

                Antes, porém, vale mencionar a atual composição da Comissão de Regras, fruto de deliberação em cada um dos estados praticantes da nossa modalidade;

                               - AM: Paulo Souza;

                               - DF: Paulo Caruso;

                               - GO: Francisco José;

                               - MG: Marcus Motta;

                               - PE: Denilson Marques;

                               - RJ: José Ricardo Lage;

                               - SP: Beto Magrini.

                Seguem abaixo as regras de funcionamento da Comissão de Regras.

                Muito obrigado,

 

Bruno S. G. Machado

Vice-Presidente da CBFM - Modalidade Bola 3 Toques

 

 

FUNCIONAMENTO – COMISSÃO NACIONAL DE REGRAS

 

1) Inicialmente serão apreciadas pela nova Comissão Nacional de Regras as propostas de alterações apresentadas pela última Comissão de Regras, fruto de longo trabalho durante mais de um ano;

2) Caberá ao Vice-Presidente da modalidade apresentar os itens em pauta, dirigir os trabalhos de discussão e deliberações, conciliar as partes envolvidas e conclamar os integrantes da Comissão a votarem;

3) Finalizada a análise sobre as propostas apresentadas pela Comissão de Regras anterior, as alterações aprovadas serão aplicadas a partir de 2019;

4)  Ato contínuo, poderão ser apresentadas pelos integrantes da Comissão Nacional de Regras, por meio do Vice-Presidente da modalidade, outras propostas de alterações de regras, que serão apreciadas durante o ano, para aplicação apenas em 2019. Deste modo, as deliberações da Comissão Nacional de Regras seguirão, sempre, ao princípio da anualidade;

5) Após o período de 4 (quatro) meses de vigência das alterações aprovadas, conhecido seu impacto, a Comissão Nacional de Regras deliberará para definir se homologa, ou não, as mudanças efetuadas;

6) As propostas de mudanças deverão ser encaminhadas pelos Comissários diretamente ao Vice-Presidente da modalidade, que será o responsável por dirigir a pauta de votações. O Vice-Presidente não poderá se recusar a apresentar a proposta de mudança aos demais Comissários, mas poderá opinar sobre sua pertinência e oportunidade quando da apresentação da proposta;

7) As votações na Comissão Nacional de Regras serão conduzidas pelo Vice-Presidente da modalidade. O primeiro Comissário a votar será o que apresentou a proposta de alteração de regras, nomeado como Relator. A seguir, votarão os demais, de acordo com sorteio realizado para definir a ordem dos votantes;

8) Nas votações, as propostas poderão receber apenas votos de aprovação ou rejeição. É vedada a abstenção de Comissário apto a votar;

9) As propostas de alteração serão aprovadas caso tenham a maioria simples dos votantes que integram a Comissão. Entretanto, as propostas que objetivem a alteração estrutural das regras da modalidade somente serão aprovadas mediante votação unânime;

10) Em caso de empate em qualquer votação, será considerado que a proposta foi recusada, permanecendo a redação atual das regras da modalidade;

11) O prazo máximo para deliberação das propostas será de 7 (sete) dias. Neste caso, no oitavo dia de apresentação da proposta o Vice-Presidente convocará todos os Comissários para votação;

12) Aprovada a proposta de mudança caberá ao Relator, caso deseje com o auxílio do Vice Presidente da modalidade, redigir o novo texto das regras.